Bolsonaro se veste de liberal e seus eleitores mantêm apoio (quase) incondicional

Jair Bolsonaro, ainda sem partido para se candidatar à Presidência, anda paquerando o mercado. Sua viagem aos Estados Unidos em outubro foi um balão de ensaio para testar a acolhida de suas novas e desconhecidas teses econômicas. Durante a turnê, Bolsonaro criticou a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e elogiou o modelo americano que não contempla benefícios como férias ou licença maternidade. Defendeu também a extinção e privatização de estatais, inclusive da Petrobras. Já no Brasil, e amparado por assessores econômicos, o discurso se ampliou para incluir a independência do Banco Central, abrir o Brasil ao comércio internacional, mas com restrições à China, e a redução de impostos e da intervenção estatal, atesta o MSN.

Até para seus assessores, Bolsonaro estava demorando em mergulhar na pauta econômica. Hoje, aparentemente decidido a abraçar o liberalismo, suas propostas causaram estranheza pelo contraste com seu histórico em mais de duas décadas de atividade política. O Bolsonaro de hoje anuncia um “namoro hétero” com o economista Paulo Guedes, considerado um dos mais liberais economistas brasileiros, e diz que poderia ser seu ministro da Fazenda. Mas o Bolsonaro do ontem foi contra medidas de austeridade fiscal e restrição de benefícios trabalhistas durante os mandatos de Dilma Rousseff. Também chegou a defender o fuzilamento de Fernando Henrique Cardoso por privatizar a Vale do Rio Doce e “entregar nossas reservas petrolíferas para o capital externo”.

Um levantamento da Folha de S. Paulo revelou que dos 166 projetos de lei que o deputado propôs na Câmara dos Deputados entre 1991 e 2017, apenas 15 tratavam sobre economia, demonstrando uma visão mais intervencionista do que liberal. Segundo a pesquisa, Bolsonaro, entre 1999 e 2010, concordou com o PT em votações de projetos sobre concessões de benefícios para o setor privado, como incentivos tributários, parcelamento de créditos e subvenções. Na década de 90, como divulgou O Globo, Bolsonaro votou e militou contra o Plano Real, contra a quebra dos monopólios do petróleo e das telecomunicações e contra a reforma da Previdência, que buscava dar racionalidade às contas públicas.

A virada liberal do deputado busca apoio no mercado, nos investidores e nos agentes econômicos que veem mais do que incertezas num candidato de posições radicais, mas que avança nas pesquisas para 2018 em segundo posição –com 17% das intenções de voto– na última pesquisa Datafolha. Poderia se pensar que parte dos seus eleitores, a maioria assalariada, entre os quais há também muitos militares e 60% de jovens menores de 34 anos, não vissem com bons olhos a nova face liberal do candidato. Mas não. “Eles são eleitores muito convictos. Mais ou menos como os eleitores de Lula no Nordeste. Eles adotaram o candidato como se fosse uma religião”, avalia o diretor do Datafolha, Mauro Paulino.

“Nós somos conservadores nas costumes e liberais na economia”, explica o oficial reformado Pedro Werneck, de 70 anos, que sustenta ser um equívoco achar que há um pensamento nacionalista homogêneo entre os militares. “Tem um grupo que acha que o Governo deve ser mais intervencionista, outro grupo menor acredita que o Governo tem que mandar na economia e, depois, estamos os que somos a favor de medidas mais liberais, como a privatização das empresas estatais”, diz. Ele fala no plural, em referência ao grupo de cerca de 300 membros que representa, o Fênix Brasil. “Nós não somos contra a privatização da Petrobras, se bem a gente não vai lutar por ela. Acredito que você não precisa ter uma estatal para extrair ou distribuir o petróleo, sempre que o Governo controle a fonte”.

O militar Werneck, crítico com o Governo Temer pelos casos de corrupção, mas defensor das suas reformas, é também administrador de empresas agropecuárias. Ele, assim como seu candidato, cobra maior segurança no campo. “Pode ter certeza de que a penetração de Bolsonaro no mundo rural é até maior que nas zonas urbanas, mas isso não sai nas pesquisas”, alerta. Werneck também é favorável à reforma trabalhista. “Só não pode acabar com aqueles pontos que estão na Constituição, como o décimo terceiro, as férias, o fundo de garantia, a licença maternidade ou auxilio desemprego. Mas não existe dúvida de que nós temos que fazer uma reformulação na CLT, é da década de 1940”, argumenta.

Numa reunião recente com deputados do setor agropecuário, Bolsonaro, no entanto, desapontou. Após prometer que distribuiria fuzis para os fazendeiros se protegerem dos “invasores” em referência ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), alguns deputados qualificaram o pré-candidato como “genérico” e “inconsistente”, conforme divulgou o Estadão. Essa campanha está nascendo como uma guerra de marketing. Estão mais preocupados em dar declarações que comovam a opinião pública do que fazer análises profundas”, disse o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG). “Às vezes somos estigmatizados. O setor agropecuário não pode e não tem o egocentrismo de pensar o Brasil só sob o olhar do campo e da produção. Olhamos questões como saúde, educação e segurança.”

“Ele é o único que não faria mais do mesmo”

Da periferia do Rio de Janeiro, na Baixada Fluminense, Gléiser de Souza, eletricista desempregado de 26 anos, concorda em flexibilizar o mercado de trabalho. “Sou contra o fim da CLT, porém sou a favor de que se enxugue. E não só a CLT, também os impostos associados para contratar um funcionário que acaba prejudicando a contratação”, defende, em uma aproximação do discurso do pré-candidato que costuma pregar: “Hoje em dia é muito difícil ser patrão no nosso país”. Bolsonaro já se gabou de ser o único deputado a votar contra a ampliação de direitos trabalhistas das empregadas domésticas, profissão da mãe de Gléiser. “Não é porque eu sou eleitor dele que eu vou concordar com tudo. Mas não cogito votar em nenhum outro. Ele é o único que não faria mais do mesmo”, diz.

Souza, jovem negro criado em Nilópolis apenas pela mãe, também é contra programas de distribuição de renda. “O Bolsa Família no Brasil foi usado pelos 13 anos do PT como barganha para os mais pobres. Não foi usado como um projeto social. Foi construído como uma boa ideia mas foi deturpado na implementação, tem muita fraude e não é fiscalizado”, critica. O que Bolsonaro deve fazer com o mais polêmico programa social do Brasil ainda é incerto. Mas Abraham Weintraub, um dos assesores que orienta o pré-candidato em matéria econômica defende o benefício: “Não vamos extinguir nada. Bolsa Família é um programa liberal baseado em propostas de Milton Freidman. Estamos 100% alinhados com o Bolsa Família. Porém, o maior programa social que existe, reconhecido em qualquer país do mundo, é crescer e gerar empregos”.

Para Danilo Cersosimo, diretor de Public Affairs do instituto de pesquisa Ipsos, não surpreende que os eleitores de Bolsonaro abracem essa pauta liberal. “Quando olhamos para dados de aprovação, as pessoas que aprovam Bolsonaro não o aprovam mais ou menos, o apoio é total. Ou seja, qualquer coisa que ele disser e pregar vai contar com apoio. Ele já atingiu um status, e as pessoas querem o pacote Bolsonaro, não o que ele pensa sobre economia. O mesmo se aplicaria para Lula. São figuras que contam com um apoio quase incondicional”, afirma Cersosimo.

Em Goiânia, Thiago Borges, engenheiro de sistemas de 36 anos, acredita que as intenções de Bolsonaro são muito melhores do que as de qualquer outro candidato. Ele é favor da reforma da Previdência, mas não nos termos de Temer, cuja proposta teria como objetivo “saquear” e não atualizar o sistema. “Se a expectativa de vida do brasileiro aumentou é natural que se mexa na Previdência. Mas fixar em 65 anos? É um crime. Tem lugar no Brasil onde a expectativa de vida é de menos de 60 para os homens. A vida em Roraima é muito diferente de Rio Grande do Sul”, adverte. “E aí vem outra proposta em que Bolsonaro acerta. Ele é a favor de cada Estado poder ter suas leis, assim como acontece nos EUA. Um país continental como o Brasil não pode ter só uma legislação”.

Crise e corrupção, o diagnóstico da crise

Para simpatizantes de Bolsonaro, o diagnóstico da situação do país passa pelo binômio corrupção-segurança. No caso dos eleitores do deputado, as propostas de privatização, por exemplo, são vistas como uma vacina não tanto contra o a crise econômica, como contra os políticos corruptos. “Não seria contra a privatização da Petrobras. Sei que por um lado a base da pirâmide iria sofrer, pois os trabalhadores perderiam benefícios, mas não existe uma forma de fazer as coisas melhorarem sem que alguém sofra”, avalia um soldado da Polícia Militar do Rio sob anonimato. “Hoje a Petrobras, nas mãos de corruptos, tornou-se cabide de emprego dos poderosos, contratos firmados às escuras em troca de apoio político. É uma sangria infinita de recursos”.

Este entendimento pode ser percebido nas pesquisas. No Brasil, segundo Datafolha, o principal problema para todos os grupos de eleitores é a saúde (24%). Em segundo lugar empatam desemprego e corrupção com 18%, mas entre os anti-Lula, que votam preponderantemente em Bolsonaro, a corrupção preocupa ao 20% dos eleitores, dois pontos acima da média. Vê-se essa diferença também no quesito segurança: 10% do total dos eleitores mostra preocupação por esse assunto, mas no grupo anti-Lula essa preocupação atinge 13% dos entrevistados.

“O eleitor está preocupado em ver quem vai resolver ou atrapalhar menos na resolução dos problemas. Os anti-Lula, como estão mais preocupados com corrupção e segurança, acabam pendendo mais ao Bolsonaro”, avalia Paulino que acredita que a candidatura do ex-militar perderá fôlego. “Nesse momento da corrida, vale mais a marca que o candidato conseguiu estabelecer do que as propostas. Será depois, durante os debates e o horário eleitoral, que serão expostas as contradições”.

06/12/2017

(Visited 8 times, 1 visits today)